Da esquerda para a direita?

Essa semana três clientes me perguntaram em que ordem servir vinhos diferentes em uma mesma refeição.

E a resposta podia começar assim: à mesa, em um jantar ou em uma degustação, sirva sempre da esquerda para a direita e na ordem clássica: espumantes, brancos, rosés, tintos e vinhos de sobremesa.

Mas o serviço do vinho tem peculiaridades que fogem um pouco às lições que a gente aprendeu com as nossas mães sobre etiqueta à mesa.

E na hora de servir mais de um tipo de branco ou de tinto a coisa fica muito mais interessante.

Gosto de pensar que experimentar vários vinhos é percorrer um caminho. Seria como viajar por lugares diferentes, por paisagens, cores, aromas e sabores diversos.

Boas práticas mandam sempre ir do simples ao complexo. Isso quer dizer, por exemplo, do mais leve para o mais pesado, como passar de um Tempranillo para um Malbec, ou de um Pinot Noir para um Cabernet Sauvignon. Do mais claro ao mais escuro é uma variação possível, que em geral vai dar no mesmo: vinhos mais claros são mais 'leves' do que vinhos 'escuros'. E do menos ao mais encorpado é outro jeito de dizer a mesma coisa. Porque o que se busca quando você está experimentando vários vinhos é conseguir apreciar ao máximo as diferenças e peculiaridades de cada um. E, de modo geral, se você sobrecarrega seus sentidos com aromas e sabores mais intensos acaba perdendo as nuances dos vinhos mais delicados. A ideia é que você vá 'acordando' seu paladar. Exatamente como durante uma bela refeição.

Começamos com aperitivos leves e vamos avançando em direção a texturas e sabores mais e mais encorpados.

Na mesma linha de raciocínio, você pode gostar da ideia de criar gran finales para a experiência e aí a regra é ir do mais novo ao mais velho e do vinho de menor qualidade para o de maior qualidade.

Aos poucos você vai descobrindo como montar suas próprias viagens etílicas. As variações sãoinfinitas. Não conheço ninguém que já tenha chegado no limite da sua capacidade de se surpreender com os vinhos.

Uma exceção: Madame Madeleine Frouin, herdeira e proprietária do Château de Suduiraut, domaine que fica ao norte de Château d'Yquem e produz Sauternes desde o século 16, certa vez nos ofereceu seu vinho doce, 'de sobremesa', como aperitivo, em um jantar na sua vinícola. Achei melhor não argumentar....

A regra de ouro: a melhor sequência é aquela que você mais gosta. Se subverte eventuais regras mas é o seu gosto, vá em frente!

No final, o vinho é sempre o melhor mestre!

Um brinde e bom final de semana!

Abraço

ET: Conheça o nosso site www.rbgvinhos.com.br

Sobre RBG Vinhos

A RBG Vinhos foi fundada em 1998, em São Paulo. Sua vocação: procurar continuamente oportunidades no mundo do vinho, buscando sempre aliar qualidade e bons preços. Seus clientes recebem semanalmente uma newsletter com as melhores sugestões e promoções. Se também quiser receber as recomendações de Ricardo Bohn Gonçalves, cadastre seu email ao lado.
RECEBA NOSSA NEWSLETTER


Se beber, não dirija. Aprecie com moderação.
A venda de bebidas alcoólicas é proibida para menores de 18 anos.

+55 11 3676-1781
rbgvinhos@rbgvinhos.com.br