Em que taça o champanhe fica ainda melhor?

De fato, os franceses, por exemplo, estão comemorando os bons resultados das exportações dos espumantes, champagnes, sobretudo. Em uma reportagem do jornal francês Le Figaro, Juliette Monmousseau, diretora da Maison Bouvet-Ladubay, tradicional produtora de vinhos efervescentes da região de Saumur (Loire), fez até uma piadinha: “Nós deveríamos inclusive agradecer à Itália e seus proseccos, que tornaram o consumo habitual de vinhos espumantes uma moda no planeta. E a tendência vai continuar, beneficiando não apenas os champagnes, mas outros vinhos espumantes do Loire, da Alsácia, da Borgonha, do Limoux, de Die ou da Savoie”, ela completa.

Mme Juliette não mencionou os cavas espanhóis, mas eles também ajudaram a popularizar e a difundir o hábito de abrir um espumante com menos formalidade, apenas para celebrar as pequenas vitórias do dia a dia.

Mas, e o copo? Em qual taça servir um vinho espumante?

A polêmica é antiga. A LVMH, que responde pela produção de um dos champagnes mais renomados do mundo, o Krug Grand Cuvée, lançou em 2012 seu copo “joseph” (o nome é uma homenagem ao fundador), feito em parceria com a Riedel, para substituir as “horríveis” flûtes, as taças estreitas e compridas que tradicionalmente são utilizadas para servir os vinhos espumantes. Segundo Eric Lebel, chefe das caves da vinícola, ao contrário das flûtes, o copo Joseph “evidencia todos os aspectos da experiência sensorial de um Krug”.  Outros produtores de champagnes fizeram o mesmo e desenvolveram seus próprios copos. Veuve Clicquot, é um deles, Moët & Chandon idem.

Flûte

Flûte

As flûtes substituíram outro tipo de taça, comum nos anos 20 e nas festas de casamento: aquelas abertas e rasas.

Taça aberta, vintage

Nem uma nem outra são adequadas aos espumantes. As taças abertas porque deixam escapar as borbulhas (perlage) e os aromas rapidamente. As flûtes porque, ao contrário, são tão estreitas que impedem que você aprecie os aromas. Sobretudo, nunca tome um champagne ou um bom vinho espumante numa flûte. Reserve as taças deste tipo que eventualmente você tenha para borbulhas mais comuns e baratas. A única vantagem das flûtes é que elas mantém as borbulhas por mais tempo e conservam a bebida geladinha. (Aliás, sirva seu espumante a 18 C se quiser manter as borbulhas por mais tempo.)

 

Mas na hora de apreciar um bom champagne a taça perfeita deve ter bojo largo e bocal mais estreito. É ninguém menos do que Matt Knight, o guru dos copos Riedel, os melhores do mundo, quem prescreve: “Os copos que desenvolvemos tanto para nós quanto para os produtores que nos procuram para criar produtos exclusivos, têm bojo largo, mais aberto no meio e bocal estreito. A razão é que esse formato mais largo no meio permite que os aromas sejam percebidos em sua plenitude, ao mesmo tempo que o bocal mais estreito controla a acidez (que chega no nariz)”.  

Ou seja, o copo de champagne ideal cada vez mais está parecido com um copo de...vinho!

E a ideia só faz ganhar novos e dedicados fãs. Em uma entrevista já há algum tempo, Matteo Lunelli, presidente da Cantine Ferrari Trento comentou: “Eu não acho que as tradicionais flûtes estreitas conseguem entregar o perfume e a complexidade de um espumante Trento DOC. Prefiro copos largos, especialmente para os vintage ou reservas. Flûtes vão bem nas festas, para os brindes. Mas servir um Ferrari Perlé num copo de vinho largo transforma completamente a experiência”.

Matteo sabe do que fala. Os espumantes de Trento são dos melhores do mundo. E os Ferraris, produzidos segundo o método clássico, a partir de uvas Chardonnay e Pinot Noir, são os tops desta turma!

Por estas e outras, a melhor resposta para a pergunta “em que copo tomar champagne?” é: escolha um impecavelmente lavado, fino e transparente copo de vinho branco e mergulhe no prazer das borbulhas!

Temos champanhes consagrados na adega na RBGVinhos, como:

Veuve Clicquot

Drappier Carte d’Or

Moët & Chandon Brut Impérial



E espumantes excelente para seus brindes!

 

Veuve Paul Bur Blanc de Blancs Brut

Comte de Bailly Blanc de Blancs Brut

Callia Brut Rosé

 




Sobre RBG Vinhos

A RBG Vinhos foi fundada em 1998, em São Paulo. Sua vocação: procurar continuamente oportunidades no mundo do vinho, buscando sempre aliar qualidade e bons preços. Seus clientes recebem semanalmente uma newsletter com as melhores sugestões e promoções. Se também quiser receber as recomendações de Ricardo Bohn Gonçalves, cadastre seu email ao lado.
RECEBA NOSSA NEWSLETTER


Se beber, não dirija. Aprecie com moderação.
A venda de bebidas alcoólicas é proibida para menores de 18 anos.

+55 11 3676-1781
rbgvinhos@rbgvinhos.com.br