Malbec: argentino ou francês?

Aposto que quando você pensa em Malbec, a primeira imagem que vem à cabeça é uma taça de um macio e aveludado vinho da Argentina. No entanto, a uva não é da terra dos hermanos, embora tenha adaptado tão bem ao clima e à geografia, que virou quase uma marca genuinamente nacional. Na realidade, a Malbec é nativa da França e foi de lá que veio parar no hemisfério sul.

A uva Malbec foi registrada pela primeira vez no sudoeste da França, na região de Cahors. Diz a lenda que teria sido resultado dos experimentos de um agricultor húngaro, conhecido como Monsieur Malbeck, que misturava castas de uvas viníferas e depois as vendia para produtores franceses.

O fato é que a uva, que também ficou conhecida como Côt (ou Côt Noir), Pressac e Auxerrois, fez sucesso entre os franceses do sudoeste, inclusive de Bordeaux, e era muito cultivada até a metade do século 19, quando um inverno excepcionalmente rigoroso matou boa parte da produção.  Apesar de frágil e suscetível, a Malbec era usada nos blends à moda de Bordeaux e era (e ainda é) a uva principal (70%) do blend da AOC Cahors, junto com as uvas Malbec e Tannat. O “vin noir de Cahors”, como chamavam, era um vinho denso, estruturado e potente, características que são reconhecidas até hoje nos Malbecs. 

Em 1868, um enólogo francês, Michel Aimé Pouget, levou uma grande variedade de uvas Malbec para Mendoza, na Argentina. E lá a Malbec se desenvolveu como se estivesse voltando para casa.

"O que caracteriza tanto a Malbec argentina quanto a francesa é sua cor intensa, sua concentração de aromas, um lado generoso e prolongado na boca. Isso faz dos Malbecs vinhos extraordinários ", explicou Philippe Faure Brac Clarín, depois de dar uma Master Class para outros 32 sommeliers e donos de restaurantes franceses, em Paris.

Apesar disso, a uva produz vinhos bastante diferentes lá e cá. Nas produções argentinas, o vinho tem a cor profunda, mas a fruta é mais exuberante, a textura é aveludada, os taninos são macios. Em Cahors, a Malbec produz vinhos quase opostos: mais tânicos, com aromas que lembram couro, sabores de groselha azeda, ameixa preta e amargor saboroso, muitas vezes descrito como "verde"  (não é incrível como podemos associar cores à sensações?) no início.

Ainda que alguns enólogos, como Hervé Joyaux-Fabre, digam que a melhor Malbec do mundo é a argentina, a Malbec da região de Cahors hoje vive uma espécie de renascimento e tenta se afirmar, afinal, como a Malbec original.

Veja no quadro abaixo as diferenças mais marcantes entre a Malbec francesa e a argentina, depois navegue pela nossa adega e confira nossa seleção de Malbecs

Leia mais sobre Malbec e Cahors

 

Sobre RBG Vinhos

A RBG Vinhos foi fundada em 1998, em São Paulo. Sua vocação: procurar continuamente oportunidades no mundo do vinho, buscando sempre aliar qualidade e bons preços. Seus clientes recebem semanalmente uma newsletter com as melhores sugestões e promoções. Se também quiser receber as recomendações de Ricardo Bohn Gonçalves, cadastre seu email ao lado.
RECEBA NOSSA NEWSLETTER


Se beber, não dirija. Aprecie com moderação.
A venda de bebidas alcoólicas é proibida para menores de 18 anos.

+55 11 3676-1781
rbgvinhos@rbgvinhos.com.br