Anatomia de uma
garrafa de vinho

Os humanos bebem vinho há milênios. A mais antiga vinícola foi encontrada pelos arqueólogos na Armênia. Os restos de grandes urnas de argila foram datados como sendo de 4100 aC, mas, eventualmente, a utilização desses recipientes, lacrados com cera de abelha, pode ser ainda mais antiga na vida desses primeiros bebedores de vinho. Mais tarde vieram ânforas, mais tarde ainda os barris de madeira. Nossas conhecidas garrafas só vão surgir por volta do século 17 quando a tecnologia permitir a criação de um vidro mais resistente, que garantisse que elas poderiam ser transportados com a mesma segurança que os robustos barris de madeira.

 

As grandes regiões vinícolas do mundo acabaram criando garrafas que viraram símbolos dos vinhos que eram produzidos ali. Quem vê aquela garrafa bojuda, larga e revestida de palha sem pensar em Chiantis italianos? A mesma coisa acontece com a garrafa de pescoço longo dos Rieslings alemães e alsacianos, a de ombros marcados e altos dos Bordeaux, a garrafa pesada e de bocal reforçado dos Champanhes, a quadradona que leva os Portos...

 

Garrafas transparentes? Carregam em geral vinhos brancos, ou aqueles que são para serem consumidos rapidamente. As escuras protegem os tintos do sol. As azuis lembram os vinhos adocicados e frescos da Alemanha e da Alsácia.   

 

Apesar das peculiaridades de cada região, existem alguns padróes que se repetem no mundo inteiro. Os Pinots Noirs e os Chardonnays, por exemplo, independentemente de terem sido produzidos na Borgonha ou na Nova Zelândia, são engarrafados naquelas garrafas de corpo mais largo, pescoço mais longo e ombros suaves.

 

Outro padrão planetário são as garrafas de 750ml. Parece uma complicação, afinal, por que não 1 litro ou 700ml? A historinha fala de uma negociação entre produtores de vinho da França, provavelmente de Bordeaux, e compradores de vinho da Inglaterra, em torno da conversão de galões, a medida do Reino Unido até hoje, em litros, que são o padrão europeu. 1 galão é igual a 4.54609 litros. Impossível chegar numa divisão exata, certo? E, na época, nem uns nem outros queriam mudar seus padrões. Mas os produtores franceses usavam barris de 225 litros para transportar o vinho, o que equivalia a 50 galões...ou exatas e facilitadoras 300 garrafas de 750ml!

 

Claro, existem outros tamanho de garrafas, inúmeros. Além da Magnun, com 1,5l, que é mais conhecida, algumas têm até nomes de reis e figuras bíblicas, como Nabucodonosor, de 16l, que serve 100 taças, Salomão, de 20l, que serve 133 taças, e Malquisedeque, de 30l, que serve 200 taças. Só com um dessas você faz uma festa!  

 

Muita gente se pergunta, e no futuro, o que será que vamos abrir em vez garrafas? E as alternativas, acreditem, são várias. Algumas muito mais sustentáveis. Latas, sacos, garrafas PET, embalagens de Tetra Pack, e até barris de aço do tamanho do seu brinde!

 

          

     

 

   

Sobre RBG Vinhos

A RBG Vinhos foi fundada em 1998, em São Paulo. Sua vocação: procurar continuamente oportunidades no mundo do vinho, buscando sempre aliar qualidade e bons preços. Seus clientes recebem semanalmente uma newsletter com as melhores sugestões e promoções. Se também quiser receber as recomendações de Ricardo Bohn Gonçalves, cadastre seu email ao lado.
RECEBA NOSSA NEWSLETTER


Se beber, não dirija. Aprecie com moderação.
A venda de bebidas alcoólicas é proibida para menores de 18 anos.

+55 11 3676-1781
rbgvinhos@rbgvinhos.com.br